sexta-feira, 13 de dezembro de 2013


Enpentenpendeupeu? ou castaway (vai com dois títulos mesmo)

Dias desses assisti a um episódio de Medium (amo. amém, netflix que armazena tudin ali pra mim. =)) em que a Allison passa a entender bulhufas que os outros dizem. As pessoas falam em inglês mas por um motivo x (que não vem ao caso aqui) ela ouve as palavras em uma língua desconhecida. Fiquei pensando nisso. Fiquei pensando na dificuldade de comunicação e entendimento que parece imperar no nosso dia-a-dia.

Na terça feira passei em uma loja para encomendar uma torta e juro que me senti caída em um planeta país estrangeiro. Entrei na fila (eu era a primeira, ói que beleza) e fiquei aguardando a moçoila chegar para anotar meu pedido. Outras pessoas foram chegando e uma mulher parou ao meu lado ao invés de ir pro fim da fila. Até aí tudo bem. Um funcionário da loja avisou que uma outra fila seria formada lá fora para o mesmo propósito, as pessoas que estavam atrás de mim foram pra lá e eu não fui, claro, porque era a primeira daquela fila ali. Quando a moçoila chegou e perguntou quem era a primeira, a mulher ao meu lado, cheia de topete, começou a ditar seu pedido. Depois de um minuto de choque (não sei como ainda me espanto com essas coisas) informei à funcionária de que EU é que de fato tinha chegado primeiro. Ela me ignorou e continuou a anotar o pedido da mulher, talvez por eu ter falado baixo, com gentileza e ter cara de boazinha enquanto a mulher fura-fila respirava arrogância e tinha pinta de rica, ou talvez por outro motivo qualquer, vai saber. Fiquei em choque de novo (eu não me canso), e seguiu-se o seguinte diálogo:

Eu:"com licença, mas eu cheguei antes de você".
Fura-fila: "mas eu já estava do outro lado da loja escolhendo minha torta, então EU sou a primeira", num tom rude e na linha "legenda- imaginária- com-"foda-se"- embaixo".
Eu: "e enquanto isso eu já estava aqui. na fila. aguardando."
Fura-fila: me vira a cara e diz para a moçoila "continue anotando meu pedido".

Nesse instante, outra funcionária da loja interrompeu e me pediu que eu fosse para a outra fila (para o final da outra fila, atrás de quem na fila anterior estava depois de mim), porque essa seria fechada. Estampei a indignação na voz, expliquei a situação e ela não disse nada. O cara que estava atrás de mim na fila antiga e agora na minha frente na fila nova e presenciou tudo também não falou nada. Só quando eu falei que iria embora ele soltou um "pode passar na minha frente, então" todo trabalhado no descaso. Na boa, HEIN? Certeza que a gente ali estava falando a mesma língua? Fui embora. E a Casa de Biscoitos Mineiros perdeu para sempre uma cliente. Ponto.

E o mesmo acontece em tantas outras situações. "A" vai te pedir uma gentileza e fala como se fosse uma ordem. "B" te pede ajuda e quando você o faz ele se sente incomodado, perturbado (peraí uai, queria ou não queria ajuda?). "C" vive em monólogo verborrágico, sem se preocupar minimamente com o efeito em quem ouve. E por aí vai. Não entendo.

Me dá a impressão de que é tanto individualismo, tanto egoísmo, tanto empenho pra "garantir o seu", tanto foco no umbigo, no próprio tempo e nos próprios desejos, que não sobra energia (nem vontade) pra trabalhar um dos requisitos básicos pra se viver em sociedade: a comunicação. Entender o outro e fazer-se entender. Básico. Fico me perguntando se não estamos, cada um de nós, criando nossos idiomas pessoais e inteligíveis. Ninguém se entende. E não é por que a língua em si é diferente. É, pior, por que ninguém se importa. Sinceramente, não entendo. Nãopão enpentenpendopo.
........................................................................
Rádio Plutão
abraça essa do the police. pq amo simsim, pq tocou hj no spinning e pq meio que serve de acompanhamento pro texto acima. =)

........................................................................................

9 comentários:

  1. MAS OLHA A COINCIDENCIA...

    fui hoje ao mercado e a fila estava monstruosamente gigantrsca. Pois bem, quase na minha vez, uma menina de uns 20, 25 anos chega pra mim e diz: "posso passar na sua frente? Tenho poucos produtos..." Eu disse que ali ao lado havia a fila de poucos produtos (que eh a mesma do pessoal da 3 idade, gravidak etc...). Ela insistiu: aqui esta indo rapidinho....

    Virei pra ela e disse: nao amiga, nao pode, desculpe, vc tem fila oreferencial e oressa, e eu so tenho z pressa e a fila longa...

    Ela saiu me xingando, A ERRADA ERA EU?

    E pra casa dos biscoitos mineiros de BSB, perdeu eu de cliente tb!

    Bjos iza...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ridículo, ka!
      tinha certeza que vc compartilharia essa indignação comigo. =)

      beijocarinhoso, queridinha!

      iza =)

      Excluir
  2. não gosto de quem fura fila, gente arrogante affs e ainda ficam xigando! ódio eterno

    ResponderExcluir
  3. não gosto de gente que fura fila, pior ainda se for arrogante!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. fura fila + arrogância = fim dos tempos!

      obrigada pela visita, bolha. =). volte sempre!

      beijomeu =)

      Excluir
  4. (... _ _ _ ...) Catch!

    ResponderExcluir
  5. Viche Maria, essa Biscoitos Mineiros é sempre cheia de fila e atendimento como você viu. Eu morava lá perto e só ia lá para atender os "mandados" dos outros (minha tia pedia coxinhas e bolo pros aniversários). Nunca vi fila ser respeitada. Os outros passavam na minha frente (sempre as peruas apressadas e grossas) e eu me perguntava se devia ter descido mais arrumada do prédio para a atendente me ver. Sempre assim, esses problemas de fila, então nunca mais!

    ResponderExcluir
  6. a biscoito mineiros foi banida pra vida, isadora. pra vida! =)

    saudade docê. vou lá te ler. =)

    beijodoce

    ResponderExcluir